ONLINE
1




Partilhe este Site...





Total de visitas: 269027
perfil da raça- cane corso
perfil da raça- cane corso

   

origem do Cane Corso é bastante antiga e historiadores afirmam que esta raça italiana seria uma descendente direta dos antigos molossos romanos (canix pugnax). Seu nome deriva da palavra latina "cohors" que significa "guardião, protetor". Até o início do século, se concentravam principalmente na zona rural da região Sul da Itália.

Apesar de sua antiguidade, a criação sistemática da raça data da década de 80, quando um grupo de cinófilos italianos estabelecidos na região Norte da Itália deu início à criação organizada da raça, fundando a Società Amatori Cane Corso (SACC). A partir daí, a raça teve um desenvolvimento bastante acentuado, popularizando-se de forma impressionante na Itália, onde foi reconhecido em 1994. Em 1997, finalmente a raça foi oficialmente reconhecida pela FCI, entidade internacional que organiza a criação de cães de raça.

No Brasil, o impulso ao desenvolvimento e popularização do Cane Corso foi dado quando Fausto Silva, apresentador da TV Globo e um dos primeiros proprietários da raça no Brasil, apresentou seus cães durante seu programa de domingo. A partir daí, a raça ganhou uma verdadeira legião de fãs em todo país.

Nos Estados Unidos e na Inglaterra a raça ainda não é reconhecida oficialmente, mas já existem inúmeros cães da raça nestes países, procurando o reconhecimento das entidades e organizando-se em clubes especializados.


O Cane Corso atuou em diversas funções em sua milenar história. Inicialmente atuava como boiadeiro nas propriedades do sul da Itália durante o dia e como guardião da propriedade à noite. Eram ainda comumente utilizados na caça de javalis e outros animais de grande porte. Mas a principal função e a que exerce até hoje, sempre foi a de guarda de propriedades, função a qual desempenha com enorme eficiência. É um cão que demonstra enorme lealdade aos donos e está sempre pronto para defender sua família e propriedade.

A principal qualidade que os criadores procuram manter no Cane Corso é seu temperamento equilibrado e inteligente. É um cão muito afetivo com os seus donos e extremamente adestrável, aprendendo com muita facilidade dos comandos básicos de adestramento.

Não se trata de um cão de ataque e sim de defesa, fato que permite que o Cane Corso conviva intimamente com a família. Como guarda, destaca-se por ser extremamente atento a qualquer movimentação estranha e dificilmente é pego "de surpresa", além de ser bastante corajoso para enfrentar quaisquer perigos. Costuma realizar ´rondas´ sistemáticas em seu território, sendo considerado um cão bastante ativo em termo de funcionalidade.


Para que o filhote se desenvolva bem, alguns cuidados são essenciais. A primeira providência é estabelecer claramente a sua liderança sobre o filhote e socializá-lo tanto com pessoas como com outros animais. Aulas de obediência são bastante recomendadas, até porque facilitam o controle sobre os cães quando adultos e há muita controvérsia sobre a real necessidade de adestramento para guarda. Um filhote bem educado e equilibrado certamente se transformará num adulto confiável.

Outro cuidado especial é quanto à alimentação. Como o Cane Corso é uma raça de crescimento rápido, é muito importante que o filhote receba uma alimentação especialmente rica e proteíca durante o primeiro ano de vida, com altos índices de cálcio.

É importante também que o futuro proprietário tome precauções quanto ao tipo de piso no qual viverá o filhote, evitando pisos lisos e/ou escorregadios que podem provocar lesões ósseas e/ou musculares que podem prejudicar a movimentação e qualidade de vida do cão.

Outra recomendação importante é quanto ao volume/intensidade de exercícios. Deve-se tomar especial cuidado e não extenuar o filhote. Exercícios regulares são mais recomendados do que ‘maratonas’ que podem levar ao desenvolvimento de problemas de articulação.


Como a grande maioria das raças grandes, o Cane Corso apresenta alguns problemas de saúde característicos:

  • displasia coxo-femural e de cotovelo. Procure sempre adquirir filhotes cujos pais tenham sido examinados aprovados pelas radiografias. A displasia só pode ser diagnosticada com certeza quando filhote tem mais de 12 meses através de raios-x.
  • Torção gástrica – pode-se evitar esse problema dividindo a porção total de ração, evitando dar toda a comida de uma única vez.

  • Epilepsia

  • Entrópio – quando a pele que encobre parte da vista. Essa característica costuma aparecer a partir dos três meses de vida, deixando os olhos irritados e vermelhos, com lacrimejamento excessivo. A correção é cirúrgica.

  • Atrofia ou Displasia da Retina, uma degeneração das células da retina.